O futuro aterrou na Praça da República

Que Braga é uma cidade única já não é segredo, que tem projetos inovadores também não, mas desta vez a cidade abriu portas a algo único no mundo. De seu nome Urban Algae Folly  é apresentado como um projeto de arquitetura viva inovador que  junta uma cultura de microalgas e o controlo digital dessa cultura, em tempo real.

Criado em Londres, através do “ecoLogicStudio” este projeto já passou por Itália onde foi aplaudido na Exposição Universal de 2015, até que braga é hoje a sua próxima casa durante 3 meses.

Este ensaio de arquitetura bio-digital do futuro gera bastantes dúvidas e questões na cabeça de quem passa pela Praça da República e se depara com esta espécie de nave espacial, mas hoje na cerimónia de apresentação o arquiteto Marco Poletto, autor da instalação explicou que apesar de se tratar de uma estrutura estranha e futurista, a sua função é algo extraordinária pois consegue gerar dois quilos de O2. Num único dia, sim, é isso mesmo, esta invenção produz tanto oxigénio como 25 árvores de grande porte.

nave

Com a capacidade de purificar o ar através das microalgas cultivadas o Urban Algae Folly é, em paralelo uma estrutura interativa e uma solução inovadora de construção de agricultura urbana integrada onde as mesmas têm a eficiência de poder de As microalgas são cultivadas capazes de transformar o dióxido de carbono (CO2) presente na atmosfera, transformando-o em oxigénio (O2).

Presente esteve também Ricardo Rio, edil do Município, um dos padrinhos deste projeto juntamente com o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL) e a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS).

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Be first to comment