“Mirrors” quer democratizar o acesso à produção cinematográfica

A observação é uma arte que está a morrer” – Stanley Kubrick .

O desafio está lançado e não podia ser mais democrático. Do amador entusiasta da 7ª arte munido apenas com um iPhone, passando pelo aluno de cinema a dar os primeiros passos até ao profissional devidamente equipado, “Mirrors” chegou para dar oportunidade a todos.

O Concurso de curtas-metragens ‘Mirrors’ está inserido no âmbito da capital ibero-americana da juventude e pretende ser um estímulo a uma criação livre que, celebrando o formato curta-metragem, premeia e valoriza a criação cinematográfica feita por jovens realizadores. Direccionado para público até 30 anos o  concurso terá vários prémios monetários que vão até 3.000€ para o primeiro classificado.

mirrors 02 Eduardo Brito, coordenador do projecto explicou que “a temática é o mais abrangente possível a partir do seu próprio título – “mirrors”, que joga com a própria dualidade ibero-americana, sugere temáticas relacionadas com a identidade e o reflexo, embora não de um modo exclusivo. Tem 3 categorias competitivas – a primeira direccionada a produções apoiadas por produtoras, uma segunda que visa sobretudo o público escolar e universitário, incluindo estudantes de cinema,  e uma terceira, mais dirigida ao público amador, de orçamento mais baixo, sem prejuízo do rigor e da qualidade. Esta é uma categoria acessível a quem possua cameras portáteis ou smartphones e que tenham este feeling cinematográfico latente e o queiram expressar e partilhar connosco”.

O coordenador realçou a margem de manobra criativa que os participantes dispõe: “Não há aqui qualquer constrangimento criativo, a ideia é premiar os melhores trabalhos e permitir que, com o prémio, eles consigam fazer mais cinema. A curta-metragem é um formato apelativo para se trabalhar e expressar a baixo custo e por isso é que este concurso é uma excelente oportunidade para quem quer ver o seu trabalho valorizado”, explicou.

mirrors gnration 04

Sameiro Araújo, vereadora da Juventude da Câmara Municipal de Braga, salientou igualmente que esta iniciativa pretende ser mais um “estímulo a uma criação livre e um concurso que, celebrando o formato curta-metragem, premeia e valoriza a criação cinematográfica feita por jovens realizadores”.

mmirrors gnration 02Luís Fernandes, programador do GNRation, é um dos membros do júri do concurso, tendo já contribuído com algumas bandas sonoras originais para diversas obras cinematográficas. O programador, desta vez com dupla função no certame, explicou que “o GNRation tem no âmbito da sua actividade cultural regular criado uma ligação forte ao formato de curta-metragem e documental” fazendo referência ao Festival de Curtas Metragens de Vila do Conde como parceiro regular e às colaborações frequentes de músicos nacionais a quem tendo sido encomendadas obras para o formato de curta-metragem.

A submissão dos trabalhos pode ser feita até dia 15 de Novembro. O regulamento e mais informação sobre o concurso está disponível online.

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Be first to comment