Miguel Louro reúne 40 anos de fotografia em livro

Há paixões que duram uma vida inteira. A de Miguel Louro começou cedo, quando ainda em tenra idade teimava em registar os momentos e locais que despertavam o seu interesse com uma máquina fotográfica analógica. Movido por esta força maior capturou instantes únicos, detalhes, rostos e locais por todo o mundo. Mais do que uma forma de resistir ao tempo e preservar a memória destes momentos fugazes, a fotografia de Miguel Louro é uma forma nobre e única de partilhar o modo como vê o mundo. Nas suas imagens capturadas ao longo de quatro décadas há um humanismo latente, um respeito profundo pela memória e tradição e uma constante insatisfação na procura de novos desafios, prova irrefutável do seu inconformismo e duma capacidade notável de auto-reinvenção. A sua inseparável Leica é apenas uma extensão de si próprio que usa para satisfazer esta velha paixão e continuar a deleitar-nos com este mundo que, vistos pelos seus olhos, sai muito melhor na fotografia.

A apresentação da obra ” MIGUEL LOURO, 40 ANOS DE FOTOGRAFIA, UMA LEICA PENDURADA AO PESCOÇO” decorreu esta quinta na reitoria da Universidade do Minho e contou com a presença da curadora Adriana Henriques, António Arriscado Magalhães, o reitor da Universidade do Minho e o professor José Carlos Gonçalves Peixoto, e ainda com a presença musical do trio de Daniel Pereira Cristo.

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Be first to comment