IV Festival de Órgão de Braga : A beleza das coisas simples acontece em Braga

Há qualquer coisa de poético no som do órgão. Naquele embalo. Naquele som que podemos coroar. Imperador da tradição. Ao longo dos séculos eles sobreviveram à mudança. Superaram a solidão. Mantiveram-se quietos. Numa espera contínua de quem acredita num futuro melhor. Num embelezamento da alma. No toque quente e verdadeiro da mão daqueles que nunca os esqueceram. O órgão permanecerá sempre como uma espécie de manual de entendimento interior da audição. Sem pressas. Sem análises. Sem criticas. O IV Festival de Órgão de Braga escreve-se em bocadinhos bonitos dentro de uma cidade bonita. Escreve-se entre pautas. Entre olhares que brilham e palmas que crescem a cada actuação. Sublinho-o. Escrevo-o.

O que este Festival tem de melhor, é a maneira como nos recebe. Com vontade. Humildemente. Pacientemente. Foi sempre assim. Foi sempre muito assim. E isso vale-lhe tanto. Coisas que só quem tem o privilégio de o consumir compreende. Arrisquem. Apreciem uma arte cheia de história. Cheia de tradição. Maturidade.  Perfeição.
Deixem que o IV Festival de Órgão de Braga seja o vosso refúgio preferido nos meses de Abril e Maio. A palavra é bonita. Refúgio.Um lugar onde a alma seja invadida por doces acordes e vos devolva a serenidade. Um pedaço de paz. Lugares que conseguem abafar o ruído do mundo. A quietude das igrejas é uma entidade sagrada, mas neste festival, procurem-na nos sons únicos dos órgãos.
festival orgao 05
Para Lídia Dias, vereadora da Cultura, o eclectismo e a diversidade da programação são já uma marca deste festival que tem vindo a contribuir decisivamente para a valorização e divulgação do património organístico Bracarense. “Esta é uma iniciativa consolidada ao nível da criação e fidelização de públicos e que, a somar a isso, tem potenciado o restauro destes instrumentos de grande valor histórico e artístico. Não podemos  esquecer o importante contributo dos párocos que abrem as portas das igrejas para que o público possa assistir a concertos memoráveis e de elevada qualidade”. Lídia Dias destacou ainda a colaboração das Uniões de Freguesias de S. Lázaro e S. João do Souto, de Maximinos, Sé e Cividade e da Junta de S. Victor.
A par do lançamento de um CD com os melhores momentos das edições anteriores, um dos grandes destaques da edição 2017 prende-se com a estreia do órgão portativo do Tesouro da Sé de Braga em concerto, a ter lugar a 3 de Maio, na Igreja do Seminário. “Trata-se de um pequeno instrumento, dos mais antigos de Portugal, que nunca foi ouvido em concerto e, para o qual, ainda é necessário um “foleiro” para “dar aos foles” e assim o órgão poder tocar. O director José Rodrigues lembra também que o “Festival não é apenas um meio de valorização do património musical, constituindo-se também como um incentivo à economia e à dinâmica turística da Cidade e da Região”. juan paradellOutra novidade será a presença do organista papal, Juan Paradell, organista titular pontifício do Vaticano, que se irá apresentar na igreja de São Marcos, a 30 de Abril. A par da organização do Festival, a Arquidiocese de Braga, pelo Instituto de História e Artes Cristãs está empenhado na realização do estudo e inventário de todos os órgãos existentes na Cidade, trabalho que terá a sua apresentação para breve.

No futuro, a organização pretende lançar um concurso de composição de novas obras musicais para órgão ibérico, bem como um prémio para jovens intérpretes.

O IV Festival de órgão nunca volta ou se despede com a sensação de que tudo está feito. Há sempre coisas a acrescentar. A criar. Sempre. Cada ano que passa. Neste quarto certame que se avizinha conjuga o verbo ir. Ir para lugares especiais que te oferecem momentos ainda mais especiais.

Todas as informações em http://www.festivalorgaobraga.com

Share on Facebook61Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Be first to comment