Festival recheado com a guitarra no centro da animação

Enquanto os dias decorrem, esperamos sempre que apareçam alguns que sejam especiais. Enquanto os dias passam, esperamos sempre pelos que nos roubam sorrisos. O bom e bonito está sempre lá. Nos dias que ansiosamente esperamos que cheguem. Por vezes demoram a chegar. Talvez por isso, pela demora, pela curiosidade que desperta em nós sejam tão únicos quando aparecem e nos mostram o verdadeiro sentido da palavra.

O  IV Festival de Guitarra de Braga, que se realiza entre os dias 17 de Fevereiro e 5 de Março pode bem salvar os maus dias. Uma espécie de operação que nos salva do quotidiano tantas vezes perdido e vazio de arte.  É disso que se trata. Os que trabalham em prol desta iniciativa acreditam que ao fazê-lo nunca adormecem com a sensação de que pelo menos naqueles dias, a cultura nunca esteve à deriva. Houve sempre uma palavra a dizer e uma mão a segurar com força uma guitarra. E há sempre palavras a acrescentar. Coisas novas a  criar. Sempre.

Este ano, a organização do Festival de guitarra de Braga aposta na internacionalização e abre portas ao Concurso Internacional de Música de Câmara com Guitarra, a grande novidade neste que é o IV Festival.

festival-de-guitarra-2017“Este festival procura ir a diversos espaços da Cidade, tendo sempre como casa-mãe o Auditório Adelina Caravana, situado no Conservatório Calouste Gulbenkian. Mas este ano teremos actividades no Auditório José Sarmento, na Igreja de Santa Cruz e no Auditório Vita”, adianta Lídia Dias, vereadora da cultura do Município de Braga, salientando que existe uma grande e “importante vertente pedagógica”.  A par dos seis concertos, o Festival de Guitarra possui uma  que inclui a realização de uma masterclass, quatro conferências e o concurso internacional de música de câmara com guitarra que irá motivar um recital.

Segundo o director artístico, Vítor Gandarela, o concurso internacional de Música de Câmara com Guitarra, “é um projecto pioneiro a nível nacional”. “Temos inscritos 12 grupos vindos de países como Itália, França, Espanha, Polónia e Portugal. Acreditamos que este concurso poderá fazer parte da oferta de referência internacional neste âmbito”, salientou, destacando o “enorme potencial de crescimento do concurso”.

O IV Festival de Guitarra de Braga apresenta várias propostas programáticas com formações de música de câmara como o MikroDuo, o quinteto 5G5C-Portugal Guitar Quintet, o ensemble Surunyo e ainda o Duo de Guitarra e Violino formado por Pedro Mateo González e José Luis Alvarez, dois músicos com carreiras firmandas no panorama internacional que têm a seu cargo o concerto de encerramento.

Como novas propostas, o festival inclui este ano uma formação instrumental (Fatrio), trio que interpretará versões instrumentais de temas do imaginário colectivo português e outras mais contemporâneas, em versões instrumentais com guitarra portuguesa, guitarra clássica e contrabaixo.

De destacar ainda as propostas a solo com Tilman Hoppstock, guitarrista de renome internacional, com 30 trabalhos discográficos realizados, várias edições de partituras com obras de referência do repertório guitarrístico bem como várias edições bibliográficas com trabalhos de análise sobre importantes obras de Bach. Este músico será ainda o presidente do júri do concurso acima referido.

Na componente pedagógica, destaque para a realização de quatro conferências com temas pertinentes a cargo de profissionais especializados, bem como uma masterclass sob orientação de Tilman Hoppstock.

Um Fevereiro que se torna muito menos rigoroso com uma proposta assim. A paixão pela cultura pode sempre existir. Mas há tanto que depende só de nós. Daqueles que a procuram e ajudam a que ela faça parte da vida de toda uma cidade.

Consulte aqui todo o programa.

Share on Facebook53Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Be first to comment