Conheça o bracarense que inundou Pitões das Júnias de livros

Na remota aldeia de Pitões das Júnias, situada a mil metros de altitude no concelho de Montalegre, a população de 150 habitantes saboreia a tranquilidade e beleza natural do meio envolvente mas sofre com o isolamento e distância aos grandes centros urbanos. Apesar da existência de algumas iniciativas culturais como as Jornadas das Letras Galego-Portuguesas, o Fiadeiro dos Contos e a celebração do Entrudo, Pitões precisava de um pequeno empurrão cultural e ele chegou de onde menos se esperava.

Rui Barbosa é um bracarense apaixonado pelo Parque Natural da Peneda-Gerês e visitante regular desta pequena aldeia. Inconformado com esta situação, meteu mãos à obra e lançou através do facebook a campanha “Um Livro para Pitões” apelando à doação de livros para a biblioteca da aldeia.

 

Olá Rui. Como surgiu a iniciativa “um livro para Pitões das Júnias”?

rui-barbosaNo passado mês de Agosto visitei Pitões das Júnias a quando de mais uma edição do Fiadeiro de Contos. No final de uma das sessões de contos, um dos contadores ofereceu um pequeno conjunto de livros para a futura Biblioteca Aberta de Pitões. A ideia surgiu então pouco depois e então decidi criar um grupo (comunidade) no facebook onde divulgar a ideia, e aí está, Pitões das Júnias vai ter a sua Biblioteca Aberta com centenas, milhares de livros enviados de todas as partes do país e do estrangeiro.

Qual a sua ligação a esta localidade e que carências identificou no local?

Costumo visitar a aldeia de forma regular, pois para os amantes do Parque Nacional da Peneda-Gerês, Pitões das Júnias tem um ambiente e uma maneira de estar que é única e verdadeiramente dinâmica nas actividades que promove durante todo o ano.
As carências de Pitões das Júnias são semelhantes às carências de muitas das aldeias de Portugal. Porém, tem um grupo de pessoas extremamente dinâmico que não deixa a aldeia «morrer» e vai promovendo actividades culturais e etnográficas ao longo de todo o ano.

Como tem sido a adesão à iniciativa? De onde chegam os livros e de que géneros?livro-pitoes

A adesão foi imensa com centenas de pessoas a enviarem milhares dos mais variados géneros. A ideia inicial era a de se enviar livros de contos tanto para crianças como para adultos, seguindo a tradição dos serões da aldeia e do espírito do Fiadeiro de Contos. Porém, muitas das pessoas que quiseram participar acabaram por enviar outros géneros e não vimos qualquer problema nisso.

 

biblioteca-pitoesQual o maior desafio que enfrenta neste momento?

A iniciativa ‘Um Livro Para Pitões’ cumpriu plenamente os seus objectivos e podemos considerar que estará terminada em breve. Os desafios que se seguem estão relacionados com a organização do espaço e dos livros. Pitões das Júnias é uma aldeia pequena com uma Junta de Freguesia que faz omeletes sem ter ovos, isto é, consegue o impossível. E é esse dinâmica que aquelas pessoas impõem todos os dias num trabalho voluntário que lhes ocupa mais tempo do que a vida profissional de cada um. Isso, por si só, é de louvar. O resto, virá aos poucos.

 

 

É viável o alargamento desta iniciativa a outras aldeias?

Sem dúvida que sim, é só necessária vontade para se avançar com a ideia!

Que momento lhe deu mais satisfação em todo este processo?

O envio do primeiro livro. Foi emocionante, sem dúvida. Depois ir conhecendo aos poucos a reacção das pessoas de Pitões das Júnias ao próprio acto que muitos tiveram de escolher os livros e tirar alguns minutos das suas vidas atarefadas para se deslocarem a uma estação dos Correios e enviar o livro. É lindo e saber disso dá um prazer único!

Share on Facebook136Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Be first to comment