BRG Collective #1: Arte e tecnologia piscam o olho à UNESCO no Theatro Circo


Notice: Undefined index: plus_sharedcount_enabled in /home/badiopt/public_html/wp-content/plugins/simple-share-buttons-adder/php/class-buttons.php on line 670

Notice: Undefined index: bar_sharedcount_enabled in /home/badiopt/public_html/wp-content/plugins/simple-share-buttons-adder/php/class-buttons.php on line 672

A ligação da cidade de Braga à tecnologia e artes digitais é, para além dum eficaz cartão de visita, uma parte da identidade que a distingue e posiciona num lugar de destaque nacional e internacional quando falamos de cultura. Com a candidatura às Cidades Criativas da UNESCO na área das media arts Braga consolida este posicionamento e reforça uma aposta que tem sido ganha ano após ano, com presença permanente de festivais como o SEMIBREVE e a realização de espectáculos e eventos vincadamente tecnológicos onde a arte e a tecnologia trabalham para o mesmo fim.

Nesse sentido e pensando não só na candidatura da Unesco mas também em inovar e cruzar artes visuais, a arte interativa, os vídeo-jogos, a robótica, a arte digital e a animação, o Theatro Circo recebe nos próximos dias 30 de setembro e 1 de outubro o BRG Collective #1.

Por detrás desta criação está o coletivo BRG Collective que premeia a exploração sonora, visual e a arte digital. São eles António Rafael (música),Joana Gama (música), João Martinho Moura (arte digital), Luís Fernandes (música), Manuel Correia (fotografia) e Miguel Pedro (música), muitas vezes colaborando entre si e com outros convidados. Iniciaram a sua atividade em 2014 com concertos e exposições em Nova Iorque, no Rio de Janeiro e em Praia, Cabo Verde.

Na sexta e no sábado, Braga torna-se na capital nacional da arte vanguardista sempre com os olhos na possibilidade de se tornar parte da grande teia artística (e não só) que as Creative Cities da UNESCO representam.

No dia 30, sexta, a sala principal irá acolher os projetos nan:collider (21h30), brg05072016 (22h15) e Palmer Eldritch (23h00).

nan_collider_joao_martinho_moura_2016

Nan:collider é o projeto de colaboração entre o músico António Rafael (músico de Mão Morta) e o artista visual João Martinho Moura onde irão ser explorados ambientes visuais e sonoros a partir de resultados de investigações científicas.

O projeto brg05072016, junta a pianista Joana Gama e o fotógrafo Manuel Correia na exploração musical de um retrato sonoro de um espaço de Braga, no dia 6 de Julho de 2016, parte integrante da peça de Tiago Cutileiro – For E-Bowed Piano, Melódica and Field Recording.

Palmer Eldritch é o alter-ego do duo Luís Fernandes (peixe:Avião) e Miguel Pedro (Mão Morta) onde procuram aqui explorar a música eletrónica através do recurso a texturas microscópicas e sintetizadores com ambientes de outras galáxias.

No dia 1 de outubro, a sala principal do Theatro Circo estará entregue a dois projetos – All flesh is grass (21h30) e Landforms (22h30).

All flesh is grass é o primeiro projeto eletrónico do músico Miguel Pedro, com inspiração em Douglas Hofstadter, partindo do conceito de “strange loop”, utilizando polirritmias, misturando compassos e ciclos temporais rítmicos.

Landforms é o mais recente projeto de Luís Fernandes que em 2016 editou dois discos, Decay e Slightly Edited Generative Music and Feedback Loops, baseados em técnicas de composição com sintetizadores modulares.

Perante tamanha oferta cultural, o Theatro Circo tornar-se-á numa nave artística onde todo e qualquer espaço será transformado e utilizado para a revelação dos projetos deste coletivo para além das performances musicais que habitarão a sala principal.

Os trabalhos permanentes que decorrerão também entre o dia 30 de setembro e 01 outubro, entre as 14h30-18h30, serão de entrada livre, ocupando várias salas do Theatro Circo, figurando alguns trabalhos como o de Manuel Correia – Por outro lado a sombra dita a luz – uma exposição de fotografia e instalação de vídeo a ter lugar no Salão Nobre. Também irão ser apresentados os trabalhos de Miguel Ogoshi – In transit on television, tuned to a dead channel – instalação apresentada na Sala Fumo do piso 0, a instalação de Rui Dias – My Jazz Band – na Sala de Fumo do piso 2 e para terminar a projeção de filmes e exposição de trabalhos pelo IPCA (entidade convidada) no pequeno auditório.

 

Bilhetes diários a 2€ e bilhetes a 3€ para os dois dias, disponíveis em www.theatrocirco.bol.pt, na bilheteira do Theatro Circo, lojas Fnac e estações CTT aderentes

Esta iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal de Braga, da Direção Regional Norte e da rádio Antena 3.

 


Be first to comment